Artigos e Reportagens

LRV 9507 em testes na Linha do Vouga

Escrito por Fábio Pires
Artigos e Reportagens Categoria: Transporte Ferroviário
Publicado em 10 Abril 2013
PDF Imprimir

O dia 8 de Abril de 2013 fica marcado pelo movimento ferroviário que envolveu o transporte da automotora de via estreita LRV 9507, que se encontrava na Régua (Bif. Corgo), para Aveiro. Durante os próximas semanas, esta automotora irá realizar testes na Linha do Vouga. O Terminal Intermodal não podia deixar passar este acontecimento e, sendo assim, disponibilizamos aqui uma pequena foto-reportagem de toda a logística que envolveu o transporte desta automotora ligeira para o Vouga, numa semana em que foram ou serão observados vários movimentos pouco comuns nesta linha férrea de via estreita.

A locomotiva diesel 1424 a traccionar o comboio de transporte da automotora 9507 para Aveiro-Vouga, à passagem por Ermesinde. Foto de Nelso Silva.

 A locomotiva diesel 1424 a traccionar o comboio de transporte da automotora 9507 para Aveiro-Vouga, à passagem por Ermesinde. Foto de Nelso Silva.

Antes de passarmos aos relatos dos acontecimentos que envolveram o transporte da 9507 para a Linha do Vouga, importa dar a conhecer, aos leitores mais distraídos, algumas características sobre esta série de automotoras diesel de via estreita (bitola 1000 mm).

As 9500 ou LRV (Light Rail Vehicle) 2000 foram construídas em 1995 pela EMEF, no seu Grupo Oficinal do Porto, e entraram ao serviço entre 1996 e 2000. Possuem caixa Camo e motor diesel Volvo. Por esta razão, são muitas vezes apelidadas pelos entusiastas como sendo "autocarros sobre carris".

No total, foram construídas 9 unidades (9501 a 9509), sendo que 4 delas (9503, 9504, 9505 e 9506) foram entregues ao Metro de Mirandela, para efectuarem serviço na Linha do Tua entre Tua, Mirandela e Carvalhais, sendo que este percurso foi encurtado após o encerramento do troço Tua - Cachão em 22 de Agosto de 2008, devido a um grave acidente. As restantes 5 ficaram afectas aos serviços da CP Regional nas Linhas do Corgo e Tâmega, onde a circulação foi suspensa em 25 de Março de 2009. 

As automotoras da Metro de Mirandela possuem cor verde, ao contrário das restantes (CP) que possuem cor vermelha. Também o número de lugares disponíveis difere de uma unidade de negócio para a outra.

Das que estavam afectas ao Metro de Mirandela, uma foi abatida (a 9504), após o acidente de 12 de Fevereiro de 2007, perto do apeadeiro de Castanheiro, na Linha do Tua. Existe ainda outra automotora que se encontra inactiva e à espera de ordem para reparação na EMEF, estando apenas, actualmente, 2 automotoras ao serviço. Em relação às restantes, as mesmas não circulavam desde a suspensão do serviço de passageiros nas Linhas do Corgo e Tâmega. Face a este pormenor, foi também com alguma surpresa que a comunidade entusiástica recebeu a notícia de que a 9507 iria fazer testes na Linha do Vouga, uma vez que esta faz parte do lote de automotoras que estavam "encostadas" desde o encerramento das linhas atrás referidas.

Ficha técnica das automotoras de via estreita série 9500

Ficha técnica das automotoras de via estreita série 9500 da CP. Documentação coligida pelo fórum Luso Carris.

Ficha técnica das automotoras de via estreita série 9500 da Metro de Mirandela

Ficha técnica das automotoras de via estreita série 9500 da Metro de Mirandela. Documentação coligida pelo fórum Luso Carris.

Passando agora à foto-reportagem propriamente dita, o rumor da ida da 9507 para a Linha do Vouga, já havia surgido na comunidade há algum tempo. No entanto, não passava disso: um rumor. O rumor passou a realidade no passado fim-de-semana, quando se confirmou que uma composição liderada pela locomotiva diesel 1424 + duas carruagens Corail + zorra tinha marcha marcada para a Régua para se proceder ao transporte da LRV.

E assim foi. Na segunda-feira, dia 8 de Abril, a invulgar composição ferroviária seguiu marcha e iniciava-se a operação de transporte. 

Passagem da composição liderada pela locomotiva diesel 1424 no viaduto da Pala, Linha do Douro

Passagem da composição liderada pela locomotiva diesel 1424 no viaduto da Pala, Linha do Douro. Foto de Nelso Silva.

Com a chegada à Régua, iniciaram-se as manobras e a operação de colocação da automotora 9507 na zorra para transporte de material. A operação efectuou-se fazendo uso das infra-estruturas já existentes para o efeito, pelo que foi realizada sem problemas.

A automotora 9507 em manobras

A automotora 9507 em manobras. Foto de Nelso Silva.

A automotora 9507 em manobras

A automotora 9507 em manobras. Foto de Nelso Silva.

A automotora 9507 já em cima da zorra

A automotora 9507 já em cima da zorra. Foto de Nelso Silva.

A automotora 9507 já em cima da zorra

A automotora 9507 já em cima da zorra. Foto de Nelso Silva.

A composição já pronta para seguir para Aveiro

A composição já pronta para seguir para Aveiro. Foto de Nelso Silva.

A composição à passagem por Ermesinde, em direcção a Aveiro

A composição à passagem por Ermesinde, em direcção a Aveiro. Foto de Nelso Silva.

À chegada a Aveiro, a operação repetia-se, mas desta vez para retirar a 9507 da zorra e colocá-la na via férrea. Mais uma vez, foram usadas as infra-estruturas já existentes, pelo que também foi uma operação simples.

A composição à chegada a Aveiro

A composição à chegada a Aveiro. Foto de Manuel Luna (via fórum Luso Carris).

Saída da 9507 da zorra

Saída da 9507 da zorra. Foto de Manuel Luna (via fórum Luso Carris).

A 9507 já numa das linhas de via estreita da estação de Aveiro

A 9507 já numa das linhas de via estreita da estação de Aveiro. Foto de Manuel Luna (via fórum Luso Carris).

A operação de transporte foi então concluída no dia 8 de Abril de 2013. Nesse mesmo dia, iniciaram-se os ensaios com a LRV 9507 na Linha do Vouga. A automotora partiu de Aveiro por volta das 22h00, chegando a Sernada do Vouga por volta das 00h00. Para os restantes dias, foram marcadas mais marchas de ensaios, mais precisamente na noite de dia 9 de Abril e na madrugada de 10 de Abril, no troço entre Sernada do Vouga e Espinho-Vouga. Para a próxima semana, de 15 a 19 de Abril, irão ser feitos mais ensaios em toda a Linha do Vouga, entre Espinho e Aveiro. Estes ensaios serão sempre feitos de noite e envolvem paragens técnicas de 1 minuto em estações e outros pontos da linha (como Passagens de Nível).

Face a isto, a CP tratou de emitir um aviso para difusão destas circulações especiais sem serviço comercial de passageiros, com o objectivo de informar as Juntas de Freguesia, Entidades locais e a população em geral de forma a prevenir acidentes junto de Passagens de Nível e outros atravessamentos de via. 
 
Este conjunto de situações e factos leva a crer que a CP está a pensar seriamente em utilizar estas automotora na Linha do Vouga. Em relação a isto, muitos rumores têm surgido na comunidade entusiástica. Alguns dizem que as actuais automotoras que efectuam serviço na Linha do Vouga (as 9630) já têm os "dias contados" e que vão ser vendidas ao estrangeiro. Há quem diga que as mesmas já têm comprador. No entanto, tudo isto não deve passar apenas de um rumor, pois estas mesmas automotoras vão agora à revisão, uma a uma. A primeira (9635) já foi e vai voltar durante estes dias ao serviço na Linha do Vouga. Outros dizem que a utilização das 9500 na Linha do Vouga é meio caminho andado para o seu encerramento, lembrando o que aconteceu nas linhas do Corgo, Tâmega e Tua.
 
A explicação que encontrámos reside sobretudo no facto de a CP querer dar uso às 9500 que se encontram inactivas desde os encerramentos das linhas atrás mencionadas. O único sítio onde isso pode acontecer é na Linha do Vouga, a única via estreita activa em Portugal, sem contar a "amputada" Linha do Tua, onde ainda circulam as LRV do Metro de Mirandela. Importa também referir que as automotoras 9630, que fazem serviço no Vouga, têm sofrido várias avarias, o que leva à supressão de comboios. Até agora, estas avarias não tinham sido divulgadas. Certamente os leitores mais atentos saberão que o nosso serviço ferroviário foi até há bem pouco tempo fustigado por diversas greves. Greves essas que serviam como desculpa para a supressão de comboios na Linha do Vouga quando, na realidade, era o material que não se encontrava nas melhores condições. Aliás, assim que a greve dos maquinistas foi suspensa, a CP emitiu um aviso referindo que, durante os próximos tempos, algumas das primeiras circulações do dia seriam suprimidas por "motivos de ordem técnica". 
 
Assim sendo, se os testes correrem bem, as 9500 passarão a fazer parte da frota de material circulante da Linha do Vouga, permitindo assim que se acabem com as supressões. Isto poderá até permitir um aumento da oferta de comboios aos passageiros, se realmente for necessário.
 
NOTAS:
  • Este texto NÃO foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.
  • Aproveito para agradecer ao Nelso Silva e ao Manuel Luna por me terem facultado o uso das suas fotos neste artigo. 
  • Podem ver mais fotos do comboio de transporte da 9507 na nossa galeria aqui ou no Flickr.
  • Quero também agradecer a todos os leitores e colaboradores do Terminal Intermodal pelas visitas que têm feito ao nosso site. Os artigos até agora postados atingiram visualizações quase "astronómicas" para aquilo que estávamos à espera, o que só prova que são um sucesso. Obrigado!